Entre em contato conosco para mais informações

Quer saber mais sobre este produto?

Contato conosco

Prevendo a próxima onda mortal - tecnologia móvel robusta ajuda pesquisadores a monitorar e prever correntes perigosas

Desafio

Coletar e processar dados em tempo real para até um dia inteiro, em ambientes de campo desafiadores.

Solução

Software específico para a tarefa, emparelhado com os tablets robustos Algiz 7 e Algiz 10X.

Resultados

Coleta de dados precisos em condições rigorosas, processamento em tempo real e gravação e coleta de pesquisa durante todo o dia, sem interrupção.

 

Guy Meadows e seus colegas do Centro de Pesquisa dos Grandes Lagos na Universidade Tecnológica de Michigan estão usando os tablets robustos Algiz 7 e Algiz 10X para coletar dados submarinos ao longo da costa do Lago Michigan, onde 50 pessoas morreram no ano passado em acidentes próximos da costa.

Perseguindo tempestades

A equipe de Meadows, que inclui pesquisadores de satélites de sensoriamento remoto do Instituto de Pesquisa Tecnológica de Michigan (MTRI), segue diretamente para as tempestades que atingem as costas do Lago Michigan, para que possam rastrear correntes perigosas antes, durante e depois de se desenvolvem.

"Assim que chegamos à praia onde a tempestade é esperada, podemos medir a forma submersa da praia em sua condição de pré-tempestade. Usando espinhéis e outras ferramentas, nós então mapeamos a posição e a força das correntes perigosas, conforme as ondas ocorrem. Então, conforme a tempestade passa, nós vamos para a água para coletar informações pós-tempestade sobre como a praia foi alterada", disse Meadows.

A equipe usa um barco aberto de 5 metros que abriga um sonar de visão subaquática e um sistema de GPS. A cada segundo, eles coletam dados sobre latitude e longitude, profundidade de corrente, temperatura e outras métricas através do robusto tablet Handheld Algiz 7.

"Nós estamos lá fora, com ondas de 1 a 1,5 metros em um barco aberto, e muitas vezes sob chuva, então você pode imaginar o quanto apreciamos ter um dispositivo à prova d'água como o Algiz 7, que podemos colocar com segurança no fundo do barco", disse Meadows.

O recentemente atualizado Algiz 7 possui agora um processador Intel Atom de 1,6 GHz e vem com uma enorme SSD de 128 GB e 4 GB de memória RAM DDR3 em um invólucro de 1 Kg. O conjunto de duas baterias de 2600 mAh com troca sem desconexão permite a Meadows e sua equipe manter a coleta de dados durante todo o dia, trocando as baterias quando necessário, sem desligar.

O Algiz 7 utilizado pela equipe de Meadows executa um software chamado Undersee Explorer, que mapeia o fundo subaquático em tempo real. "À medida que os dados fluem para o Algiz 7, eles são convertidos em um tipo de mapa GIS que podemos olhar à medida que avançamos. É muito inteligente!", disse Meadows.

Na verdade, Meadows tem coletado dados sobre correntes de retorno desde 2002. Naquela época, sua equipe contava com laptops de padrão comercial para coletar todos os dados — uma prática que ele não recomenda. "Os laptops levavam uma surra incrível", disse ele. "A tampa abre e sacode quando o barco está trepidando. Eles são pesados e frágeis ao mesmo tempo".

Em comparação, segundo Meadows, "ter um pequeno computador como o Algiz 7, que é fácil de usar e robusto, é um verdadeiro recurso". Como a tela widescreen sensível ao toque de 7 polegadas possui tecnologia MaxView™, que fornece um brilho espetacular em condições externas, ele diz: "podemos ver os dados de mapeamento com absoluta clareza, mesmo em um dia ensolarado".

Outro dia na praia

Outra parte do projeto geral de pesquisa, que é patrocinado pelo Departamento de Qualidade Ambiental de Michigan, envolve confirmar a localização de correntes de retorno identificadas por satélites comerciais em várias praias populares, ao longo das margens do Lago Michigan.

Usando um barco de controle remoto para águas rasas e um barco maior para o resto, os pesquisadores estão mapeando as áreas das praias antes e depois de correntes de retorno se desenvolverem. Ao confirmar a exatidão dos dados de satélites, a equipe está se movendo mais um passo para prever quando e aonde as correntes perigosas próximas da costa irão se desenvolver.

Os dados de satélites são carregados no Algiz 7 através do software Undersee Explorer, que permite que a equipe navegar até o ponto certo. Uma vez lá, eles registram a profundidade da água e criam um mapa atualizado com base nas informações de profundidade que recebem em tempo real.

Uma chave para o sucesso do projeto é a capacidade da equipe de registrar o valor de um dia inteiro de dados sem interrupção — uma tarefa que o Algiz 7 tornou possível. No passado, os laptops de padrão comercial eram capazes de coletar e processar apenas uma quantidade limitada de dados, que depois tinham que ser inseridos em um computador no laboratório para processamento e visualização clara.

"O Algiz 7 é capaz de mapear correntes de retorno em tempo real, para que possamos ver logo em seguida se encontramos a corrente que procuramos. Nós não temos que esperar até navegar 900 quilômetros até o laboratório para saber se coletamos os dados corretos", disse Nate Jessee, um cientista assistente de pesquisa do MTRI.

Jessee e o resto da sua equipe usaram o Algiz 10X — que oferece uma tela maior de 10 polegadas — para o teste que completaram recentemente, em uma praia ao longo da costa norte do Lago Michigan.

"Honestamente, nós gostamos de ambos os dispositivos," disse Jessee. "Para nós, isto é computação livre de preocupações, quando você sabe que pode deixar cair o aparelho ou que ele pode se molhar, e você ainda obterá os dados que precisa, sem interrupção".

Prevendo o futuro

Meadows e sua equipe descobriram que as ondas médias e suas correntes de retorno associadas são as mais perigosas. E eles foram os primeiros a descobrir que as correntes de retorno migram ao longo do dia — o que significa que uma praia que é segura de manhã pode ameaçar vidas à da tarde.

Na parte final do projeto de pesquisa do MTRI, esses fatos e o resto das informações obtidas a partir dos dois componentes de campo serão usados para fazer melhorias práticas de segurança nos parques ao longo do lago Michigan. Trabalhando com o Departamento de Qualidade Ambiental de Michigan, Meadows e sua equipe irão desenvolver procedimentos para fornecer advertências melhores e mais precisas sobre as condições de águas perigosas.

"Estamos aprendendo a partir de imagens de satélites que certas praias têm correntes de retorno exatamente nos mesmos lugares, então talvez você mova essas praias", disse Meadows. "Outros lugares são muito dinâmicos, com correntes de retorno em um dia e não no outro, então precisamos descobrir a melhor forma de transmitir essa informação para as pessoas na praia".

Eventualmente, Meadows prevê um sistema de radar automatizado, montados em postes, que poderia vigiar cada praia, detectando o desenvolvimento de correntes perigosas e disparando alarmes, ou até mesmo enviar mensagens de texto para convencer as pessoas a sair e ficar fora da água até as condições se tornarem mais seguras.

Meadows está otimista sobre a pesquisa e a probabilidade de que, algum dia, em breve, as correntes perigosas próximas da costa serão identificadas mais cedo e com mais precisão, e comunicada de forma clara — assim menos pessoas perderão suas vidas às margens do Lago Michigan.